Os 7 Princípios de David Ogilvy

02/05/2012, por Lucas Vogelmann

David Ogilvy é um ícone da publicidade. Fundador da gigante agência Ogilvy & Mather, ele deixou sua marca no mercado através de técnicas até o momento inovadoras e ficou famoso também por frases como “se não vende, não é criativo”. Seu método de trabalho apoiava-se fortemente em pesquisas e estatísticas, sob o pretexto de que a propaganda deveria ser direta e fatual, orientando-se mais pela geração de lucro e menos pela arte. Em seu livro “Confessions of an Advertising Man”, Ogilvy descreve seus 7 princípios na administração, que teriam guiado sua carreira como executivo do mercado publicitário e podem muito bem ser aplicados em diversas áreas da indústria. São eles:

1. ”Lembre-se que Ambraham Lincoln falava sobre vida, liberdade e a busca pela felicidade. Ele deixou de fora a busca pelo lucro”. Viver bem, oferecer felicidade, bem estar, liberdade são fatores essenciais para qualquer empresa. Mas o lucro também é essencial, e deve ser conseqüência de trabalhadores satisfeitos.

2. “Lembre-se do velho ditado escocês: ‘Seja feliz enquanto está vivo, pois você está morto há muito tempo’”. Aproveitar bem o tempo, e trabalhar com alegria são pontos importantes na rotina de uma organização.

3. Se você tem de reduzir a folha de pagamento de sua empresa, não demita seus empregados enquanto não tiver cortado sua própria compensação e a compensação por suas grandes metas”. O primeiro a sentir o impacto de uma crise sempre deve ser o líder da organização. Os colaboradores devem ser afetados somente em casos extremos, pois eles são quem mantém a empresa em movimento.

4. “Defina sua cultura corporativa e seus princípios em escrito. Não delegue isto a um comitê. Procure em todos os parques de sua cidade. Você não encontrará estátuas de comitês”. Elementos institucionais, que orientem o comportamento da organização, sua visão de mercado, seus valores, devem ser registrados pelo idealizador. E em forma escrita. Manter a documentação destes atributos é essencial para que a empresa saiba quem é, por que é importante e para onde vai.

5. “Pare de reduzir a qualidade de seus produtos em busca de margens maiores de lucro. O consumidor sempre percebe isto – e lhe pune”. O consumidor sabe quando está sendo enganado. Ele é seu vizinho, seu filho, sua mão, sua esposa. Consumidores estão ao seu redor, em todos os lugares.

6. “Nunca gaste dinheiro em propaganda que não vende”. Receita gasta com propaganda e marketing deve ser um investimento e deve dar retorno.

7. ”Mantenha em mente que o consumidor não é um idiota. É sua esposa. Não subestime sua inteligência”. Novamente, o consumidor sabe quando está sendo enganado.

Não somente são ótimos tópicos para reflexão em relação ao comportamento de marcas e empresas, mas também mostram a importância de diretrizes  institucionais bem estabelecidas, que possam servir como norte para o crescimento destas. As ideias de Ogilvy concentravam-se ao redor da qualidade da produtos e serviços e de seu consequente lucro, fatores que podem até tornar o próprio produto em publicidade.

O livro foi originalmente publicado em 1963, mas os princípios de David Ogilvy (ou a maioria deles) ainda persistem e podem guiar a administração de várias organizações em pleno século XXI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>